Tratamento PTI em crianças

Tratamento PTI em crianças

20/03/2018

Tratamento PTI em crianças

O tratamento da PTI, ou trombocitopenia imune primária, nas crianças deve ser específico para cada caso e deve levar em consideração alguns aspectos como:

  • Idade da criança, a saúde geral e o histórico médico1,2
  • Gravidade da doença1
  • Tolerância da criança para medicamentos específicos, procedimentos ou terapias e os possíveis efeitos adversos destes1,2
  • Expectativas em relação ao curso da doença1
  • Cooperação e a opinião ou preferência do paciente e de sua família1,2

Isso porque nem todas as crianças com PTI necessitam de tratamento. Cerca de 80 a 90% dos pacientes se recuperam espontaneamente em até seis meses desde o início da doença. Apenas em uma pequena porcentagem de pacientes, a doença persiste por seis meses ou mais.2,3

Quando o tratamento medicamentoso não é realizado, um acompanhamento da quantidade de plaquetas no sangue da criança deve ser feito regularmente e deve-se atentar para prevenir quaisquer complicações sanguíneas graves que possam ocorrer até que o corpo seja capaz de corrigir a desordem por conta própria.1,2 Isto pode ser feito através da restrição de atividades físicas, sobretudo os esportes de contato, e de medicamentos com atividade antiplaquetária (como o ácido acetil salicílico, o AAS, e os anti-inflamatórios não esteroides), que aumentam as chances de uma hemorragia.4

Quando o tratamento é necessário, as primeiras formas de tratamento são:

1) Esteroides, também conhecidos como corticoides: estes medicamentos reduzem temporariamente a produção de anticorpos anormais, diminuem a velocidade na qual as plaquetas são destruídas pelo baço e assim aumentam a contagem de plaquetas.5 Quando efetivos, podem aumentar a contagem de plaquetas dentro de duas a três semanas.1 A prednisona é um esteroide comumente utilizado para o tratamento da PTI e pode ser administrado por via oral.3,4 Os efeitos colaterais incluem irritabilidade, irritação do estômago, aumento de peso, pressão arterial elevada, acne ou níveis elevados de açúcar na urina.2,4,5

2) Imunoglobulinas (anti-D e a imunoglobulina humana intravenosa): são soluções de proteínas preparadas a partir do plasma de doadores de sangue que previnem temporariamente a destruição de plaquetas no baço.3 Estas soluções são administradas através de um acesso venoso e funcionam mais rapidamente do que os esteroides (dentro de 24 a 48 horas).1,3 Os efeitos adversos mais comuns ao usar a imunoglobulinas incluem náuseas, vômitos, cefaleia, febre e neutropenia.4

Caso a trombocitopenia imune primária não responde a esses tratamentos medicamentosos chamados de primeira linha (primeira opção), o médico deve considerar outras terapias, chamadas de segunda linha (medicações que podem ser usadas após falha do tratamento de 1ª linha).2,4

Outros cuidados com a PTI em crianças e adolescentes

Crianças e adolescentes com PTI persistente, com sangramento significativo ou que os efeitos colaterais dos outros tratamentos sejam muito graves, pode-se considerar a necessidade de uma esplenectomia, que consiste na remoção do baço por procedimento cirúrgico.1,3,4

Em meninas adolescentes, pode ser necessário o uso de terapia hormonal para parar o ciclo menstrual quando as plaquetas estão baixas e ocorrer sangramento excessivo.1

Após o tratamento, a contagem de plaquetas deverá aumentar e as manifestações clínicas, como as petéquias e os hematomas começarão a desaparecer. O médico do seu filho provavelmente solicitará alguns exames de sangue em intervalos regulares para avaliar a contagem de plaquetas.3

Lembre-se que o tratamento medicamentoso não cura a PTI, ele apenas eleva a contagem de plaquetas por um período de tempo. Se a PTI do seu filho não se curar espontaneamente durante este tempo, a contagem de plaquetas poderá cair novamente e mais terapia medicamentosa poderá ser necessária até que a PTI desapareça espontaneamente.


Referências

1. Children’s National Health System. Pediatric Idiopathic Thrombocytopenia Purpura (ITP). Disponível em: https://childrensnational.org/choose-childrens/conditions-and-treatments/blood-marrow/idiopathic-thrombocytopenia-purpura-itp Acesso em dezembro de 2017.
2. Boletim Científico de Pediatria. Trombocitopenia autoimune em crianças: revisão das recomendações do último consenso. Disponível em: http://www.sprs.com.br/sprs2013/bancoimg/140324183300bcped_13_03_03.pdf Acesso em dezembro de 2017.
3. About kids health. Idiopathic Thrombocytopenia Purpura (ITP). Disponível em: http://www.aboutkidshealth.ca/En/HealthAZ/ConditionsandDiseases/blooddisorders/Pages/Idiopathic-Thrombocytopenia-Purpura-ITP.aspx Acesso em dezembro de 2017.
4. Ministério da Saúde. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas – Púrpura Trombocitopênica Idiopática. Disponível em: http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2014/abril/02/pcdt-purpura-tromboc-idiopatica-livro-2013.pdf Acesso em dezembro de 2017.
5. Dana-Farber/Boston Children’s Cancer and Blood Disorders Center. ITP Kids: How do you treat IPT in children? em: http://www.danafarberbostonchildrens.org/conditions/blood-disorders/immune-thrombocytopenic-purpura.aspx Acesso em dezembro de 2017.