Tratamento da Psoríase: Conheça as Opções

Compartilhe:

Não importa para que região seja o tratamento da psoríase, seja no rosto, couro cabeludo, cotovelos e onde mais ela atinja, existem dois grandes objetivos: a melhora das lesões e da qualidade de vida. E um tem relação com o outro. 

Sendo assim, o que indica o sucesso no tratamento da psoríase? Bom, existem dois índices que podem medir isso: 

É muito importante conversar abertamente durante a consultaA escolha e a duração do tratamento dependem da gravidade da psoríase. Na última década, a quantidade de novos tratamentos para combater a psoríase aumentou de forma significativa. Com isso, hoje existem mais opções para ajudar no controle da doença.

Principais opções de tratamento

Entre as principais opções de tratamento da psoríase estão:

  • Tratamentos tópicos(aplicados na pele): apesar de algumas pessoas responderem bem ao uso de pomadas e cremes, os tratamentos tópicos podem não ser suficientes para melhorar a condição da pele e, por isso, são associados a outros tipos de tratamento.
  • Fototerapia: a luz ultravioleta (UV) natural do sol e a luz UV artificial (UVB ou UVA associada a medicação) podem ser usadas no tratamento da psoríase. Mas, atenção: a fototerapia precisa ser indicada e deve ser acompanhada por profissionais, já que o excesso de sol pode causar danos à pele, aumentar o risco de câncer e piorar os sintomas da psoríase.
  • Tratamentos sistêmicos: podem ser prescritos para casos de moderados a graves da psoríase, por via oral ou injetáveis. Os tratamentos imunomoduladores, imunossupressores e os medicamentos biológicos fazem parte desse tipo.

Imuno… o quê? 

Imunomoduladores – o tratamento ajusta algum aspecto do sistema imunológico. Pode ser uma mudança na célula, por exemplo. 

Imunosupressores – é um tipo de tratamento que diminui a vontade do seu sistema imunológico de atacar suas células saudáveis. 

Entre os medicamentos biológicos, estão os tratamentos chamados anti-TNF, que atuam na inibição do TNF-alfa (proteína que estimula o surgimento de uma inflamação no organismo) diminuindo ciclo inflamatório da psoríase Nesta classe de medicamentos sistêmicos estão também as opções que agem através da seleção e inibição das interleucinas 12, 17 e 23, descritas abaixo.

Interleucinas e psoríase inflamada 

Existem tratamentos aprovados no Brasil e diversos em fase de estudo, que têm como alvo a inibição de algumas citocinas (moléculas que participam da inflamação). Os níveis elevados dessas citocinas no nosso corpo estão associados ao processo inflamatório e, consequentemente, ao aparecimento e agravamento de doenças inflamatórias, como a psoríase.

Entre as citocinas, já se sabe que o TNF e as família das interleucinas 12, 17 e 23 (também chamadas de IL-12, IL-17 e IL-23, respectivamente) desempenham papel-chave no processo inflamatório que leva ao desenvolvimento da psoríase. Por isso, alguns tratamentos têm como foco a inibição dessas moléculas. 

Acompanhamento psicológico

Quem tem  psoríase pode sofrer alto impacto na qualidade de vida e o acompanhamento psicológico pode ser necessário. O objetivo é evitar o isolamento social e a depressão, além de auxiliar em questões relacionadas à autoimagem e à autoestima. 

Psoríase Brasil
Psoríase Brasil

 


Referências

1. News in Health – National Institutes of Health (NIH). Itchy, Scaly Skin? Living with psoriasis. Disponível em: https://newsinhealth.nih.gov/issue/Aug2010/Feature2. Acesso em julho de 2020.
2. National Psoriasis Foundation. Psoriasis Treatments. Disponível em: https://www.psoriasis.org/about-psoriasis/treatments. Acesso em julho de 2020.
3. National Institutes of Arthritis and Musculoskeletal and Skin Diseases (NIAMS) – National Institutes of Health (NIH). Questions and Answers about Psoriasis. Disponível em: http://www.niams.nih.gov/health_info/psoriasis/#4. Acesso em julho de 2020.
4. National Psoriasis Foundation. Moderate to Severe Psoriasis and Psoriatic Arthritis: Biologic Drugs. Disponível em: https://www.psoriasis.org/sublearn03_severe_biologics. Acesso em julho de 2020.
5. DermNet. PASI Score. Disponível em: https://www.dermnetnz.org/scaly/pasi.html. Acesso em julho de 2020.
6. Cardiff University. Dermatology Quality of Life Index (DLQI). Disponível em: https://sites.cardiff.ac.uk/dermatology/quality-of-life/dermatology-quality-of-life-index-dlqi/. Acesso em julho de 2020.
7. Onishi RM, Gaffen SL. Interleukin-17 and its target genes: mechanisms of interleukin-17 function in disease. Immunology. 2010; 129: 311-21.
8. Griffiths CE and Barker JN. Pathogenesis and clinical features of psoriasis. Lancet. 2007;370:263-271.