Psoríase em pele negra: o que você precisa saber

Compartilhe:

Há alguns anos acreditava-se que era muito raro alguém com pele negra ter psoríase. Mas hoje já se sabe que a psoríase afeta pessoas de todas as etnias e cores de pele. Estima-se que a prevalência de psoríase, ou seja, a fração das pessoas com a doença, é de 3,6% entre caucasianos, 1,9% entre afrodescendentes, e 1,6% entre hispânicos.

Essa diferença na prevalência provavelmente se deve à genética, mas também pode ser afetada pela falta de um diagnóstico adequado, principalmente em pessoas negras.

Além da dificuldade de diagnóstico, pessoas de pele negra podem enfrentar desafios únicos, tanto físicos quanto psicológicos: a psoríase pode ser mais grave e consequentemente gerar mais prejuízos na qualidade de vida.

Entender como a psoríase afeta sua pele, pode facilitar a sua comunicação sobre o efeito da doença no seu dia-a-dia e ajudar seu médico a encontrar o tratamento mais adequado e controlar melhor sua doença. Por isso, trazemos aqui tudo o que você precisa saber sobre as variações da psoríase com base na cor da pele.

Sintomas e obstáculos do diagnóstico da psoríase em pele negra

Como a pele negra tem um teor de melanina mais alto do que a pele branca, a aparência de certas doenças da pele pode variar, incluindo a psoríase. A psoríase na pele negra costuma apresentar diferenças também em relação à distribuição, ao tipo e à gravidade, quando comparadas com peles mais claras.

Na pele branca, a psoríase é caraterizada por manchas (também chamadas de placas) rosas ou vermelhas com escamas esbranquiçadas ou prateadas. Já na pele negra, a psoríase aparece mais como manchas roxas, cinza ou marrons-escuras. Comumente, as inflamações são menos perceptíveis e as placas mais espessas.

As placas de psoríase podem ocorrer em qualquer parte do corpo. Mas pessoas de pele negra têm maior probabilidade de apresentar psoríase no couro cabeludo ou um tipo de psoríase que aparece em regiões úmidas do corpo. Esse tipo de psoríase é chamado de psoríase invertida, e ocorre principalmente nas virilhas, axilas, órgãos genitais e abaixo das mamas. Por outro lado, pessoas de pele negra dificilmente apresentam artrite psoriásica.

As manchas de psoríase na pele negra podem ser mais disseminadas, o que pode dificultar a distinção em relação a outras doenças, como líquen plano e lúpus. Por isso, além do exame físico e do histórico do ou da paciente, o (a) dermatologista poderá solicitar uma biópsia para assegurar um diagnóstico adequado.

Gravidade da psoríase na pele negra

A gravidade da psoríase é avaliada por meio da extensão do corpo que é afetada pelas placas, e leva também em consideração a presença de inflamação, infiltração e descamação da pele.

Em peles negras, além do risco de um diagnóstico incorreto, a dificuldade do reconhecimento das inflamações pode subestimar a gravidade das lesões. No entanto, como as manchas de psoríase na pele negra costumam ser mais disseminadas, consequentemente a doença pode ser mais grave.

Saber a gravidade da doença é importante não apenas para escolher o tratamento mais adequado mas também para melhorar a qualidade de vida das pessoas que convivem com ela.

Qualidade de vida

A psoríase costuma ter um impacto maior na qualidade de vida de pacientes com pele negra, pois a doença e seu tratamento podem resultar em alterações pigmentares de longa duração. Isso quer dizer que, mesmo depois que as placas de psoríase desaparecem, podem surgir manchas escuras ou claras, e que podem durar várias semanas ou meses.

Essa mudança de aparência na pele muitas vezes traz constrangimento, raiva, frustração, baixa autoestima e isolamento, causando sofrimento para a pessoa afetada. Por isso, tratar a psoríase corretamente pode melhorar a qualidade de vida de quem convive com a doença.

Tratamento da psoríase em pele negra

As opções de tratamento para a psoríase geralmente são as mesmas, independentemente da cor da pele, mas com algumas variações.

  • Psoríase no couro cabeludo: deve ser considerada a rotina de cuidados com o tipo de cabelo. Isso significa que os tratamentos tópicos para psoríase no couro cabeludo podem ser prescritos de forma diferente para pessoas de pele negra.
  • Fototerapia: é uma opção de tratamento que pode causar o escurecimento da pele. Em peles negras, manchas escuras podem se tornar mais visíveis, talvez não seja o tratamento adequado.
  • Efeitos colaterais: um dos maiores desafios do tratamento para pessoas com pele mais escura é obter uma pele sem manchas. Discuta na consulta com dermatologista sobre os efeitos colaterais dos tratamentos para psoríase e peça recomendações sobre como lidar com esses desafios à medida que surgem.

 

Para saber mais sobre o tratamento da psoríase leia nosso artigo Tratamento da Psoríase: Conheça as Opções.

Controle sua psoríase!

A forma como a psoríase se apresenta em pessoas de pele negra pode levar a atrasos no diagnóstico e no tratamento. Mas lembre-se: a psoríase tem tratamento! Se a doença for adequadamente diagnosticada e tratada, é possível minimizar a gravidade, suas complicações e melhorar sua qualidade de vida. Aprenda a controlar sua psoríase!

 

Referências

  1. Alexis AF, Blackcloud P. Psoriasis in skin of color: epidemiology, genetics, clinical presentation, and treatment nuances. J Clin Aesthet Dermatol. 2014;7(11):16-24.
  2. Nicholas MN, Chan AR, Hessami-Booshehri M. Psoriasis in patients of color: differences in morphology, clinical presentation, and treatment. Cutis. 2020;106(2S):7-10;E10.
  3. Kaufman BP, Alexis AF. Psoriasis in Skin of Color: Insights into the Epidemiology, Clinical Presentation, Genetics, Quality-of-Life Impact, and Treatment of Psoriasis in Non-White Racial/Ethnic Groups. Am J Clin Dermatol. 2018;19(3):405-423.
  4. Very well health. How Psoriasis Presents on Different Skin Tones. Disponível em https://www.verywellhealth.com/psoriasis-and-different-skin-tones-4800986. Acesso em janeiro de 2021.