Câncer de pele melanoma e mutações genéticas: conheça e entenda as principais

Neste Dezembro Laranja, a campanha de conscientização sobre o câncer de pele também alerta para o melanoma, um dos tipos mais graves desse tumor. No entanto, além da proteção solar, os pacientes já diagnosticados com melanoma também podem ter causas genéticas que tenham provocado este câncer.3

O câncer de pele do tipo melanoma, além de ter relação com a influência da radiação solar, também possui um componente genético importante em seu desenvolvimento. Existem mutações genéticas hereditárias, envolvidas no chamado melanoma familiar, que tem prevalência em 5% a 12% dos melanomas. No entanto, também acontecem mutações genéticas não relacionadas com casos familiares, ocorrendo ao longo da vida do indivíduo e tendo relação direta com uma maior prevalência do melanoma avançado.1,2

Um grupo que possui especial tendência ao desenvolvimento do melanoma é o de famílias com histórico da doença e que possuam a chamada Síndrome do Nevo Displásico (SND), isto é, muitas pintas ao longo do corpo, principalmente na região do tronco. A estimativa é de que 5% a 12% dos melanomas tenha esse tipo de causa genética familiar. Esses melanomas, em geral, são mais precoces, menos espessos e muitas vezes múltiplos.1

A transformação maligna de células da pele ocorre por um acúmulo em sequência de alterações moleculares e genéticas, algumas vezes induzidas pelos raios ultravioleta do sol. Diversos genes já foram identificados.1

Conheça os principais:3

  • BRAF +: Esta mutação é encontrada em quase 50% de todos os melanomas avançados e é o tipo mais comum de mutação genética associada à doença. Existem várias formas de mutações BRAF, incluindo V600E, V600K, V600D, V600G e V600R. A mutação BRAF é mais comum em pacientes cujos tumores não são causados ​​por danos crônicos induzidos pelo sol.
  • NRAS: A segunda mutação mais comum encontrada no melanoma avançado é o NRAS. Essas mutações foram encontradas em 15% -20% dos melanomas. Esses tumores tendem a ser mais espessos e crescer mais rápido.
  • c-KIT: A mutação c-KIT pode variar de acordo com a etnia. Essas mutações foram encontradas em cerca de 6% -7% dos melanomas avançados em caucasianos, mas são mais comuns em populações asiáticas. As mutações do c-KIT são mais prováveis ​​de serem encontradas em melanomas que começam nas palmas das mãos, solas dos pés, sob as unhas, dentro da boca ou nariz ou outras áreas da mucosa e em áreas que recebem exposição regular ao sol.

Terapia-alvo para o melanoma avançado

A mutação BRAF é uma das mais importantes no sentido de ter relação direta com as chamadas terapias-alvo, que agem em moléculas específicas associadas ao câncer, enquanto a maioria dos quimioterápicos padrão atua em todas as células que se dividem rapidamente, seja normal ou cancerosa.3,4

O status de mutação BRAF, isto é, se é positivo ou não, é o único biomarcador que prevê uma resposta terapêutica em melanoma avançado, com tratamento oral com a terapia-alvo. Essa indicação tem recomendações do atual National Comprehensive Cancer Network (NCCN) e com diretrizes da European Society for Medical Oncology para melanoma.5



Referências
 

  1. AZULAY, Rubem David. Dermatologia / Rubem David Azulay, David Rubem Azulay, Luna Azulay-Abulafia. 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017.
  2. Wolff K, & Johnson R, & Saavedra A.P.(Eds.),Eds. Klaus Wolff, et al.eds. Fitzpatrick. Atlas de Dermatología Clínica, 7e. Ciudad de México: McGraw-Hill, 2014.
  3. Melamoma Just Got Personal. About Melanoma. Disponível em: https://www.melanomajustgotpersonal.ca/about-melanoma/ Acesso em: novembro de 2020.
  4. LOPES, Jéssica Dayane. Principais avanços no tratamento do melanoma cutâneo: imunoterapia e terapia-alvo. Trabalho de conclusão de curso – Graduação em Farmácia – Universidade de Uberaba, 2018.
  5. Cheng L, Lopez-Beltran A, Massari F, MacLennan GT, Montironi R. Molecular testing for BRAF mutations to inform melanoma treatment decisions: a move toward precision medicine. Mod Pathol. 2018 Jan;31(1):24-38. doi: 10.1038/modpathol.2017.104. Epub 2017 Nov 17. PMID: 29148538; PMCID: PMC5758899.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *