Tratamento da insuficiência cardíaca

tratamento-da-insuficiencia-cardiaca Compartilhe:

Apesar dos tratamentos existentes para insuficiência cardíaca (IC), a taxa de mortalidade da IC permanece muito alta: cerca de 50% dos pacientes morrem no período de cinco anos após o diagnóstico da doença.1-3 Há, portanto, uma necessidade urgente de tratamentos novos e eficazes que reduzam o número de internações hospitalares onerosas e melhorem a qualidade de vida, diminuam a mortalidade e morbidade das pessoas que vivem com a insuficiência cardíaca ou que irão desenvolver a doença.


 

A insuficiência cardíaca representa uma carga importante e crescente para a saúde pública, inclusive no Brasil, o que pode ser observado por meio da avaliação dos dados do Sistema Único de Saúde (SUS). De maneira geral, as doenças cardiovasculares são a terceira causa mais frequente de internação no Brasil, sendo que 39,4% dessas internações estão associadas à insuficiência cardíaca.10

Além disso, as taxas de re-hospitalização decorrentes da insuficiência cardíaca permanecem crescendo, assim como suas taxas de mortalidade.10,11 Sabe-se, também, que a IC provoca 2-3 vezes mais mortes do que cânceres avançados, como câncer de mama e de intestino.12

Você sabia?

O Ministério da Saúde atualizou recentemente as diretrizes para o tratamento da insuficiência cardíaca (IC) pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Isso quer dizer que pacientes com IC crônica sintomática com fração de ejeção reduzida poderão ter acesso a mais opções de tratamento gratuitamente. Saiba mais!


Referências

1. Mozzafarian D, Benjamin EJ, Go AS, et al. Heart Disease and Stroke Statistics – 2016 Update – A report from the American Heart Association. Circulation 2016 Jan 26; 133(4): e38-360.
2. Zannad F, Agrinier N, Alla F. Heart failure burden and therapy. Europace. 2009 Nov;11 Suppl 5:v1-9.
3. Loehr LR, Rosamond WD, Chang PP, et al. Heart failure incidence and survival (from the Atherosclerosis Risk in Communities study). Am J Cardiol.
2008;101(7):1016.
4. Site no National Heart, Lung, and Blood Institute. How is heart failure treated? Disponível em: http://www.nhlbi.nih.gov/health/health-topics/topics/hf/treatment (Acessado em 07/07/2017).
5. Ponikowski O, Voors AA, Anker SD, et al. 2016 ESC Guideline for the diagnosis and treatment of acute and chronic heart failure. Eur J Heart Fail. 2016 May 20.
6. Heart Failure Matters. Adapting your lifestyle. Disponível em: http://www.heartfailurematters.org/en_GB/What-can-you-do/Adapting-your-lifestyle (Acessado em 07/07/2017).
7. Heart Failure Matters. Adjusting your diet: fluids. Disponível em: http://www.heartfailurematters.org/en_GB/What-can-you-do/Adjusting-your-diet-Fluids (Acessado em 07/07/2017).
8. Sociedade Brasileira de Cardiologia. Diretriz de Reabilitação Cardíaca. Arq Bras Cardiol. 2005 May;84(5):431-40.
9. Bocchi EA. Heart failure in South America. Curr Cardiol Rev. 2013 May;9(2):147-56.
10. Healthcare Cost and Utilization Project. HCUP Facts and Figures; Statistics on hospital-based care in the United States, 2009. Exhibit 2.4 – Most Frequent Principal Diagnoses by Age. Disponível em: http://www.hcup-us.ahrq.gov/reports/factsandfigures/2009/pdfs/FF_2009_exhibit2_4.pdf (Acessado em 07/07/2017).
11. Forman DE, Cannon CP, Hernandez AF, et al. Influence of age on the management of heart failure: Findings from Get With the Guidelines–Heart Failure (GWTG-HF). Am Heart J. 2009 Jun;157(6):1010-7.
12. Stewart S, MacIntyre K, Hole DJ, et al. More ‘malignant’ than cancer? Five-year survival following a first admission for heart failure. Eur J Heart Fail. 2001 Jun;3(3):315-22.