Conversando com o seu médico sobre a insuficiência cardíaca
Share

Muitas vezes, as consultas médicas são muito rápidas e alguns assuntos importantes acabam sendo esquecidos de serem abordados, como seus sintomas da insuficiência cardíaca.1-2 Sempre diga ao seu médico o que está pensando, para que informações importantes não sejam esquecidas.1-2

Nunca tenha vergonha de falar sobre algo ou fazer perguntas! Aqui estão algumas para começar:1-2

  • O quão grave é a minha condição?
  • Como a minha insuficiência cardíaca irá evoluir ao longo do tempo?
  • Existem atividades que devo evitar?
  • Existem coisas que eu devo fazer todos os dias?
  • Quais os medicamentos que você recomenda?
  • Quais são os efeitos colaterais mais comuns de meus medicamentos?
  • Existe algum grupo local de apoio do qual eu poderia participar?
  • Existem tratamentos alternativos que podem me ajudar?
  • Quando devo procurar atendimento médico imediato?
  • Quais sinais e sintomas são considerados uma emergência?

 

Também é importante informar o seu médico sobre outros tratamentos que você pode tomar, além da sua medicação para insuficiência cardíaca.1-2

Dicas adicionais

Você pode ter um monte de perguntas. Mas, às vezes, iniciar a conversa não é tão fácil! É aí que um pouco de preparação pode ajudar. Mantenha anotações do tratamento e do monitoramento de sua insuficiência cardíaca. Leve suas anotações quando você for ao seu médico.1-2

  • Mantenha um diário. Registre seu peso e os efeitos colaterais dos medicamentos, bem como quaisquer outros sintomas ou preocupações que você tenha. Isso pode ajudar o seu médico ou enfermeiro a entender melhor sua vida cotidiana. Peça conselhos sobre a forma de tornar as coisas mais confortáveis em casa.3
  • Traga uma lista de medicamentos. Se você consultar mais de um médico, é importante garantir que todos eles saibam quais os tratamentos que você toma para todas as doenças.3
  • Liste seus objetivos. Anote o que você quer de sua consulta (ex: tirar dúvidas sobre suas limitações físicas, eventos adversos sobre medicamentos, insatisfação com a terapia atual, etc). Isso vai te ajudar a lembrar suas preocupações com a sua insuficiência cardíaca desde a sua última visita. Isso também te ajuda a se sentir bem por ter participação ativa no tratamento.1-3

 


Fonte: Talking to your doctor. https://www.keepitpumping.com/globalassets/kip/about/talking-to-your-doctor/talking-to-your-doctor-guide.pdf. (Acessado em 07/07/2017).

Referências

1. Keep it Pumping. Talking to your doctor. Disponível em: https://www.keepitpumping.com/globalassets/kip/about/talking-to-your-doctor/talking-to-your-doctor-guide.pdf (Acessado em 07/07/2017).
2. American Heart Association. Heart to heart: talking to your doctor. Disponível em: http://www.heart.org/HEARTORG/Conditions/More/ConsumerHealthCare/Heart-to-heart-Talking-to-Your-Doctor_UCM_323844_Article.jsp#.WV-atdIrK71 (Acessado em 07/07/2017).
3. Eastwood CA, Travis L, Morgenstern TT, et al. Weight and Symptom Diary for Self-monitoring in Heart Failure Clinic Patients. Journal of Cardiovascular Nursing. 2007. 22(5):382-389.

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *