O diagnóstico do câncer de mama avançado não é fácil para ninguém. É muita informação para processar e diversas decisões a serem tomadas (as vezes num curtíssimo espaço de tempo) que afetam não só a vida da paciente, mas de toda a família. Em meio a isso tudo, quando esse diagnóstico chega ainda durante a idade reprodutiva das mulheres, há um ponto adicional importante a considerar: a preservação da fertilidade. Se este é seu caso, e mesmo que a maternidade hoje não esteja nos seus planos, é bom refletir e tomar algumas decisões agora para que você tenha liberdade de escolha no futuro!

Devido aos avanços da medicina, as pessoas com câncer estão vivendo mais e melhor, fazendo com que outros aspectos relacionados à qualidade de vida dos pacientes sejam considerados, como por exemplo a fertilidade. Assim surgiu a oncofertilidade, uma nova área em que especialidades médicas como oncologia e a reprodução humana se unem com o intuito de maximizar o potencial reprodutivo de pessoas com câncer ou daquelas que já tiveram a doença.1

Nem todo mundo sabe, mas alguns tratamentos para combater o câncer de mama (seja ele avançado ou não) podem causar infertilidade temporária, dificultar que a mulher engravide ou ainda levar a infertilidade definitiva.1-5 Apesar disso, há sim casos de pacientes que passaram pelo tratamento e não tiveram problema algum para engravidar.4

Como cada caso é um caso, o melhor a fazer é conversar com o seu médico sobre os riscos e as possibilidades de preservação da sua fertilidade assim que for feito o diagnóstico, antes mesmo de iniciar o seu tratamento para o câncer de mama avançado, quando você tem mais opções disponíveis.2-4 A recomendação para quem já está em tratamento, é conversar com o médico o mais rápido possível.3 Ah, e se você tem um parceiro, você pode optar por incluí-lo nessa conversa também!

Se seu médico não abordou a questão da fertilidade e sua relação com seu tratamento para o câncer de mama, não tenha medo ou vergonha de começar essa conversa! Algumas perguntas que você pode querer fazer são:

  • Qual o meu prognóstico e quais os tratamentos contra o câncer que necessito?
  • Como os tratamentos contra o câncer de mama recomendados podem afetar minha fertilidade?
  • Quais os métodos de preservação de fertilidade mais aconselháveis para mim?
  • Posso adiar meu tratamento (por volta de 2 a 6 semanas) para a coleta de óvulos?
  • Medicamentos utilizados nos tratamentos para fertilidade são seguros para mim?
  • Quais as chances de eu engravidar na minha idade?
  • Já recebi tratamentos contra o câncer anteriormente, o que eu devo fazer agora para preservar minha fertilidade?
  • Qual o preço de tratamentos para fertilidade?
  • Posso adiar meu tratamento para engravidar?
  • Quais as minhas opções no caso de me tornar permanentemente infértil?
  • O tratamento contra o câncer pode afetar a saúde das crianças que terei no futuro?
  • Quanto tempo depois do tratamento contra o câncer devo esperar para engravidar?

Além de conversar com seu oncologista, ele pode recomendar que você busque ajuda médica com um especialista em fertilidade, para que você tome as decisões mais conscientes e esteja melhor assistida com ajuda de uma equipe multidisciplinar.

Conheça algumas opções de preservação da fertilidade para mulheres com câncer

CONGELAMENTO DE ÓVULOS

Nesta técnica, medicamentos são administrados para estimular o ovário a produzir mais óvulos durante o ciclo menstrual. Esses óvulos são coletados em uma cirurgia, congelados e armazenados. Para que ocorra a gravidez, esses óvulos são descongelados e fertilizados com espermatozoides (fertilização in vitro) gerando embriões que serão implantados no útero da mulher.6-9

CONGELAMENTO DE EMBRIÕES

Aqui ocorrem os mesmos procedimentos para a coleta de óvulos descrita acima, com a diferença de que esses óvulos já são fertilizados com espermatozoides (fertilização in vitro) e os embriões congelados. Quando a mulher quiser engravidar, os embriões são descongelados e implantados no útero.6-9

CRIOPRESERVAÇÃO OVARIANA ou CONGELAMENTO DO TECIDO OVARIANO

Técnica recente, em que pedaços do ovário são retirados, congelados e armazenados. Uma vez que a mulher esteja pronta para engravidar, esses pedaços são reimplantados. Por volta de dois a três meses após o reimplante do ovário, espera-se que o órgão retome suas funções hormonais e a mulher possa ovular normalmente.6-8,10

SUPRESSÃO DA FUNÇÃO OVARIANA

Aqui, medicamentos são administrados fazendo com que os ovários não funcionem durante um período, reduzindo o número de óvulos que poderiam ser danificados durante o tratamento contra o câncer de mama avançado. Após o tratamento, os ciclos menstruais da mulher devem retornar normalmente. É aconselhável que você utilize outro método de preservação de fertilidade quando optar pela supressão da função ovariana, uma vez que ainda existe a possibilidade do ovário ser danificado durante o tratamento contra o câncer.6-8

O que posso fazer se eu me tornar ou se já estiver infértil?

Caso você se torne permanentemente infértil após o tratamento contra o câncer de mama, não perca as esperanças de realizar o sonho de ser mãe! Abra o seu coração e a sua mente e considere outras opções! Listamos algumas abaixo.

ADOÇÃO

A adoção pode ser uma forma maravilhosa e plena de maternidade, tenha você um parceiro ou não. Para conhecer os processos burocráticos e legais envolvidos com ela – como documentação e tempo para realização desse sonho – procure a Vara da Infância e Adolescência da sua cidade.7,11,12 Você também pode buscar informações adicionais e ajuda em grupos de apoio e organizações não-governamentais que atuam no segmento.

UTILIZAÇÃO DE ÓVULOS OU EMBRIÕES DOADOS

É uma opção para mulheres que possuem o útero saudável e estão liberadas pelos seus médicos para engravidar, porém seus óvulos não são mais saudáveis após o tratamento contra o câncer de mama. Na doação de óvulos, você tem a opção de escolher o esperma que será utilizado para a fertilização do óvulo, podendo usar o esperma do seu parceiro ou de um doador anônimo.7,11,12

DOAÇÃO TEMPORÁRIA DE ÚTERO

É uma opção para mulheres que não podem manter uma gravidez, seja por problemas no útero ou por causar risco à sua saúde. O Conselho Federal de Medicina determina que as doadoras de útero sejam parentes de até quarto grau da mãe ou do pai biológico. Casos em que há ausência de mulheres com esse grau de parentesco necessitam de autorização do Conselho Regional de Medicina.7,11-13


Referências

1. UCLA Obstetrics and Gynecology. Oncofertility. Disponível em: http://obgyn.ucla.edu/oncofertility Acesso em fevereiro de 2018.
2. Breastcancer.org. Treatments that affect fertility. Disponível em: http://www.breastcancer.org/tips/fert_preg_adopt/treatments Acesso em fevereiro de 2018.
3. Living Beyond Breast Cancer. Fertility and Breast Cancer. Disponível em: http://www.lbbc.org/learn/living-breast-cancer/fertility-and-breast-cancer Acesso em fevereiro de 2018.
4. American Cancer Society. Pregnancy after breast cancer. Disponível em: https://www.cancer.org/cancer/breast-cancer/living-as-a-breast-cancer-survivor/pregnancy-after-breast-cancer.html Acesso em fevereiro de 2018.
5. The Oncofertility Consortium. What is normal female fertility, and how is it affected by cancer treatment. Disponível em: http://www.myoncofertility.org/animations/what_normal_female_fertility_and_how_it_affected_cancer_treatment/ Acesso em fevereiro de 2018.
6. Living Beyond Breast Cancer. Protecting your fertility during treatment. Disponível em: http://www.lbbc.org/learn/living-breast-cancer/fertility-and-breast-cancer/protecting-your-fertility-during-treatment Acesso em fevereiro de 2018.
7. American Cancer Society. Preserving fertility in women with cancer. Disponível em: https://www.cancer.org/treatment/treatments-and-side-effects/physical-side-effects/fertility-and-sexual-side-effects/fertility-and-women-with-cancer/preserving-fertility-in-women.html Acesso em fevereiro de 2018.
8. Young Survival Coalition. Fertility Preservation. Disponível em: https://www.youngsurvival.org/learn/living-with-breast-cancer/fertility-and-family-planning/fertility-preservation Acesso em novembro de 2017.
9. The Oncofertility Consortium. Egg and embryo banking – basics. Disponível em: http://www.myoncofertility.org/animations/egg_and_embryo_banking_basics/ Acesso em novembro de 2017.
10. The Oncofertility Consortium. Ovarian tissue cryopreservation – basics. Disponível em: http://www.myoncofertility.org/animations/ovarian_tissue_cryopreservation_basics/ Acesso em novembro de 2017.
11. Young Survival Coalition. Options after treatment. Disponível em: https://www.youngsurvival.org/learn/living-with-breast-cancer/fertility-and-family-planning/options-after-treatment Acesso em novembro de 2017.
12. Breastcancer.org. Options if you can’t become pregnant after treatment. Disponível em: http://www.breastcancer.org/tips/fert_preg_adopt/options Acesso em novembro de 2017.
13. Minhavida. Como funciona a “barriga de aluguel”. Disponível em: http://www.minhavida.com.br/familia/materias/14849-como-funciona-a-barriga-de-aluguel Acesso em novembro de 2017.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *