Quais são as fases da leucemia mieloide crônica

Quais são as fases da leucemia mieloide crônica

03/02/2017

A leucemia mieloide crônica (LMC) é classificada de acordo com a quantificação de células sanguíneas e com o comprometimento do baço. São 3 fases de evolução da LMC, com base principalmente no número de glóbulos brancos imaturos, também conhecidos como blastos.1-3

A maioria dos pacientes é diagnosticada com LMC na fase crônica. Quando estes pacientes são tratados a longo prazo,4 realizam os exames de controle da doença5 e têm uma boa adesão aos medicamentos.6 dificilmente ocorre a progressão da doença para as outras fases mais severas, e é possível verificar se o objetivo de atingir a remissão está sendo alcançado.4-6

 

Fase
Características

Fase 1: crônica

Os pacientes nesta fase apresentam menos do que 10% de blastos nas amostras de sangue ou da medula óssea.1,2 Geralmente, a doença desenvolve-se de forma lenta e silenciosa, os pacientes apresentam sintomas leves (se existirem) e geralmente respondem bem ao tratamento padrão.1-3 Saiba mais em tratamento da LMC.

Nesta fase, é importante lembrar que para ter uma boa resposta ao tratamento padrão, é fundamental que haja adesão. Quanto maior a adesão, maiores são as chances de atingir a remissão da doença.6

Fase 2: acelerada

A LMC é considerada em fase acelerada quando:

– Amostras de sangue ou da medula óssea apresentam entre 10% e 20% de blastos.1,2
– Amostras de sangue com pelo menos 20% das células brancas na forma de basófilos.1
– Alta taxa de glóbulos brancos, que não diminui com o tratamento.1
– Contagem de plaquetas muito alta ou muito baixa, não causadas pelo tratamento.1-3
– Novas alterações cromossômicas nas células leucêmicas. Saiba mais em mutação T315I na LMC.1

Os pacientes com LMC em fase acelerada podem apresentar sintomas como febre, falta de apetite e perda de peso.1-3

Para evitar a progressão da doença para a fase 3, é essencial que o paciente tome sua medicação a longo prazo,4 realize os exames de controle da doença5 e tenha uma boa adesão ao tratamento.6

Fase 3: blástica

Esta é a fase mais severa da LMC, pois progride rapidamente e começa a apresentar características das leucemias agudas. As amostras de células da medula óssea e de sangue de um paciente nesta fase apresentam mais de 20% de blastos. Estas células blásticas frequentemente se espalham para tecidos e órgãos além da medula óssea, gerando sintomas mais intensos, como febre, falta de apetite, perda de peso, infecções generalizadas e hemorragias, que colocam a vida do paciente em risco.1-3

 


Referências
1. Instituto Oncoguia. Estadiamento da leucemia mieloide crônica. Disponível em http://www.oncoguia.org.br/conteudo/estadiamento-da-leucemia-mieloide-cronica-lmc/1651/337/. Acesso em dezembro de 2016.
2. Leukemia & Lymphoma Society. Chronic myeloid leukemia. Disponível em http://www.lls.org/sites/default/files/file_assets/cml.pdf. Acesso em dezembro de 2016.
3. Cancer Research UK. Staging for chronic myeloid leukemia. Disponível em http://www.cancerresearchuk.org/about-cancer/type/cml/treatment/staging-for-chronic-myeloid-leukaemia. Acesso em dezembro de 2016.
4. Annals of Hematology. A review of the European LeukemiaNet recommendations for the management of CML. Disponível em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25814080. Acesso em janeiro de 2017.
5. Current Medical Research & Opinion. Association between molecular monitoring and long-term outcomes in chronic myelogenous leukemia patients treated with first line imatinib. Disponível em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23738923. Acesso em dezembro de 2016.
6. Journal of Clinical Oncology. Adherence is the critical factor for achieving molecular responses in patients with chronic myeloid leukemia who achieve complete cytogenetic responses on imatinib. Disponível em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20385986. Acesso em dezembro de 2016.