O que é remissão da leucemia mieloide crônica?

O que é remissão da leucemia mieloide crônica?

02/02/2017

Ao realizar o tratamento para leucemia mieloide crônica (LMC), é normal que o paciente escute o médico dizer que o objetivo da terapia é fazer com que a doença entre em remissão.1 Normalmente, a palavra “remissão” descreve um período durante o qual os sintomas de uma doença são reduzidos, mas no caso da LMC, a palavra “remissão” deve ser entendida também como uma resposta tão boa ao tratamento que quase não se consiga detectar as células doentes nos testes de PCR.1,2

No entanto, atualmente, pacientes diagnosticados com LMC devem tomar seu medicamento continuamente, a fim de evitar que a doença progrida para uma fase acelerada ou fase blástica.2 O tratamento da LMC a longo prazo, visa controlar efetivamente a progressão da doença e atingir sua remissão.3

Para verificar a remissão ou resposta ao tratamento, o médico solicitará exames como hemograma e exames para verificar a quantidade da proteína BCR-ABL ou a presença do cromossomo Philadelphia. De acordo com os resultados obtidos em cada exame, a remissão pode ser descrita de 4 formas:1,2,4

1) Resposta hematológica completa: ocorre quando a contagem de células do sangue volta ao normal (também chamado de normalização do hemograma), quando há diminuição do tamanho do baço e desaparecimento da maioria dos sintomas.1,2,4

2) Resposta citogenética completa: ocorre quando as células do sangue ou da medula óssea já não apresentam o cromossomo “Philadelphia”.1,2,4

3) Resposta molecular, também conhecida como resposta molecular maior: ocorre quando a quantidade do gene BCR-ABL é baixa teve uma redução de mais de 1000 vezes, ficando mais difícil de ser detectado pelo teste de Reação em Cadeia de Polimerase (PCR).1,2,4

4) Resposta molecular profunda ou completa: ocorre quando a quantidade do gene BCR-ABL é tão baixa que se torna praticamente indetectável no sangue. São reduções do BCR-ABL superiores a 10.000 vezes!1,2,4

A resposta mais importante que se espera do tratamento é a resposta molecular completa, quando as probabilidades de a LMC voltar ou progredir para uma fase avançada são muito mais baixas. Geralmente, os pacientes que têm adesão ao tratamento da LMC conseguem a resposta hematológica completa em poucas semanas, a remissão citogenética em poucos meses e remissão molecular nos primeiros dois anos, mas o tratamento segue continuamente.1

Muitos estudos recentes têm focado em definir critérios para a descontinuidade segura do uso dos medicamentos após a remissão da doença, mas trata-se de uma perspectiva para o futuro e hoje o importante é que os pacientes continuem com suas medicações conforme prescrição médica e de forma contínua.5,6

 


Referências
1. Web MD. Remission for chronic myelogenous leukemia. Disponível em http://www.webmd.com/cancer/features/remission-cml-chronic-phase#1. Acesso em dezembro de 2016.
2. The National CML Society. Response/Remission. Disponível em http://www.nationalcmlsociety.org/faq/responseremission. Acesso em dezembro de 2016.
3. Annals of Hematology. A review of the European LeukemiaNet recommendations for the management of CML. Disponível em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25814080. Acesso em janeiro de 2017.
4. Diagnóstico e Tratamento. Leucemia mieloide crônica: tratamento baseado em evidências. Disponível em http://files.bvs.br/upload/S/1413-9979/2009/v14n2/a0003.pdf. Acesso em dezembro de 2016.
5. Blood Journal. Moving treatment-free remission into mainstream clinical practice in CML. Disponível em http://www.bloodjournal.org/content/bloodjournal/128/1/17.full.pdf. Acesso em dezembro de 2016.
6. Leukemia. The concept of treatment-free remission in chronic myeloid leukemia. Disponível em http://www.nature.com/leu/journal/v30/n8/pdf/leu2016115a.pdf. Acesso em dezembro de 2016.