Se sentindo culpado por ter DPOC? Saia dessa…

27/10/2015

Se sentindo culpado por ter DPOC? Saia dessa…

São recorrentes os casos de pessoas com DPOC que fumaram por muitos anos (ou ainda fumam) e que, por isso, se sentem tão culpados pelo desenvolvimento da doença que ficam “paralisadas”. Não conseguem buscar o apoio que precisam para o diagnóstico da doença pulmonar obstrutiva crônica, para largar o cigarro ou para seguir o tratamento prescrito.1-3

Estudos já comprovaram que a sensação de culpa ou vergonha faz com que alguns pacientes se isolem. De certa forma, é como se as pessoas com DPOC aceitassem que não merecem ajuda – ou sequer recorram a alguém, por medo do julgamento.1-3

Mas é justamente por tudo isso – somado aos sinais da DPOC no dia a dia, que podem ser incapacitantes –, que é tão importante que as pessoas já diagnosticadas ou aquelas que suspeitam da doença pulmonar obstrutiva crônica superem o medo, a vergonha ou a culpa e busquem ajuda.3

Levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima…

Seja para averiguar o diagnóstico da DPOC junto ao pneumologista, parar de fumar, ou passar a ter adesão ao tratamento prescrito pelo médico, você precisa ter acesso a uma rede de apoio.

Separamos alguns passos que podem ser o começo de uma nova fase, com mais saúde qualidade de vida!

1. Antes de qualquer coisa, vá ao médico especializado! O primeiro passo pra combater a DPOC é saber se a doença está mesmo lá. Antes de qualquer coisa, procure o diagnóstico com um médico especialista (em geral, o pneumologista). Se o profissional de fato diagnosticar a doença pulmonar obstrutiva crônica, ele será o responsável por indicar o tratamento adequado, além de outros recursos para apoio no seu tratamento e qualidade de vida. Não saia da consulta com dúvidas, faça todas as perguntas que achar necessárias para seu entendimento da DPOC. Uma boa relação com seu médico é essencial!

2. Busque um ambiente seguro para pedir apoio: se você já tentou e de fato acha que não encontra o apoio que precisa em casa, há uma série de locais e pessoas a quem pode recorrer. Você já tentou conversar e pedir ajuda para algum amigo próximo? Na sua cidade há encontros de associações de pacientes? Você já procurou um psicólogo ou já conversou sobre suas dificuldades com o seu médico? Há na internet algum grupo de apoio em que você confia? Cada um traça um caminho diferente, o importante é não desistir de viver com qualidade!

3. Se seu problema é o fumo, busque ajuda! Parar de fumar é fundamental para combater a DPOC, mas nem por isso é fácil. Busque acompanhamento médico e psicológico para largar o cigarro. Tenha liberdade para falar sobre suas angustias e sentimentos com esses profissionais, mesmo em relação a questões difíceis como a irritabilidade e a ansiedade causadas pela abstinência e, inclusive, o sentimento de culpa pelo desenvolvimento da doença pulmonar obstrutiva crônica.

4. Não deixe que a culpa, medo ou vergonham te paralise. Você acha que tem DPOC e precisa procurar um pneumologista para o diagnóstico; recebeu o diagnóstico da DPOC e precisa parar de fumar; ou está tendo dificuldade para seguir o tratamento da doença pulmonar obstrutiva crônica… Se você está passando por alguma dessas situações (ou outra ainda), mas não consegue saber nem por onde começar (e acaba não fazendo nada), pode ser que esteja “paralisado” por medo, vergonha ou culpa. A má notícia é que se você ficar apenas remoendo os anos em que fumou ou passar a achar que “não tem mais jeito”, de fato, com a progressão da DPOC, seu quadro de saúde provavelmente irá se agravar. Por outro lado… Se você conseguir olhar para o futuro, e enxergar que ainda pode ter muitos anos de vida com qualidade, desde que busque ajuda para sair dessa situação, as perspectivas passam a ser bastante positivas. Não desista, busque ajuda de profissionais de saúde!

 


Referências

1. Site Medical News Today. Disponível em : http://www.medicalnewstoday.com/articles/285047.php Último acesso em 26 de outubro de 2017.
2. Site Everyday Health. Disponível em: http://www.everydayhealth.com/hs/copd/blamed-self-copd/ Último acesso em 26 de outubro de 2017.
3. Halding AG, Heggdal K, Wahl A. Experiences of self-blame and stigmatisation for self-infliction among individuals living with COPD. Scand J Caring Sci. 2011 Mar;25(1):100-7.

Veja mais em: Cigarro

saiu na mídia

Notícias Relacionadas

Ver mais
Ver mais

Conteúdo

Relacionados|Mais lidos

saiu na mídia

Conteúdos Relacionados